Header Ads

Entenda o GOLPE que o governo aplicou nos caminhoneiros


Em 21 de Maio de 2018, se deu inicio a paralisação dos caminhoneiros autônomos em todo o Brasil. Com objetivos como diminuir os frequentes aumentos na tributação sobre o diesel e gasolina, logo, a greve ganhou adesão em todo o território nacional - inclusive com apoio da população brasileira. 

Tendo em vista um possível colapso na economia, o governo tomou medidas extremas - como o emprego das forças armadas e campanhas em emissoras de televisão denigrindo a imagem dos caminhoneiros. 

Com a autorização da aplicação de multa de 100 mil reais por hora, no dia 28 de maio, diversos caminhoneiros e empresas começaram a ser atuados - ocasionando medo por parte dos motoristas de continuar a greve.

A multa era aplicada a caminhões que estivessem obstruindo estradas e rodovias, porém, os caminhoneiros alegam que não ouve interdição.




Após acordo inexpressível do governo com sindicado dos caminhoneiros, muitos motoristas deram fim a mobilização e seguiram viagem, com isso, o movimento foi perdendo forças e se encerrando. Apesar da desmobilização evidente, e do cansaço visível, o clima era de revolta entre os caminhoneiros. A principal reclamação dos motoristas era de que a mobilização precisava continuar, e que as associações, sindicatos e federações que fizeram o acordo com o governo federal não representava a categoria. 

Com o fim da greve, veio a surpresa, caminhoneiros autônomos e empresas foram multadas em valores de  R$ 400 mil e R$ 9,4 milhões. Receita de 23 das 96 transportadoras punidas é de até R$ 360 mil, menor que a multa de R$ 400 mil. Se as multas não forem pagas, os mesmos podem ter suas contas e aplicações financeiras bloqueados, além de bens penhorados.

Assim, o governo conseguiu evitar futuras greves cobrando valores absurdos da classe caminhoneira. Nesse mês de setembro, houve mais um aumento de 1,68% na gasolina nas refinarias e governo estuda reajustes no preço do diesel.  De mãos atadas, motoristas perderam o único meio de se opor contra medidas do governo.

Tecnologia do Blogger.