Header Ads

Ex-senador atropela e mata agente da Lei Seca

Rodolpho da Silva, cujo avô José da Silva Jr. também foi vice-governador, tem prisão decretada e, sete horas depois, revogada; vítima tem morte cerebral


O empresário Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva é acusado de atropelar na madrugada de sábado o agente de trânsito Diogo Nascimento de Souza, 34 anos, durante uma blitz da operação Lei Seca, em João Pessoa, na Paraíba. Segundo testemunhas, Silva dirigia um Porsche conversível branco e tentou fugir da fiscalização na Avenida Nilo Peçanha, no bairro Bessa, região nobre da cidade, acelerando sobre agentes de trânsito e policiais.

Após atropelar o agente e não prestar socorro, Silva teve a prisão temporária decretada pela juíza plantonista Andréa Arcoverde Cavalcanti Vaz, do Fórum Regional de Mangabeira. O agente de trânsito foi encaminhado para a UTI do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena em estado grave e teve morte cerebral na tarde deste domingo.

Cerca de sete horas após ter a prisão decretada, o desembargador Joás de Brito Pereira Filho, presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, revogou a decisão e concedeu salvo-conduto a Silva alegando que ele não tinha antecedentes criminais. Silva é neto de José Carlos da Silva Júnior, ex-senador pelo PDS (1996 a 1999) e ex-vice-governador da Paraíba (de 1983 a 1986). Silva Júnior é proprietário da TV Cabo Branco, afiliada à Rede Globo, do Grupo São Braz (ramo alimentício) e de uma concessionária de veículos.

Segundo o delegado Marcos Paulo Vilela, duas testemunhas relataram que Silva estava na fila para a blitz, porém quando recebeu a ordem para encostar o carro, acelerou em direção aos fiscais. “No momento em que o agente pede para que encoste, ele acelera e acaba atingindo outro agente que, inclusive, coordenava a operação. O Porsche não chegou nem a amassar muito dada a velocidade com que o carro atingiu o agente, que estava mais à frente da contenção dos carros”, afirmou. Com o impacto da batida, a placa do veículo caiu no local.

De acordo com o delegado, Silva estava acompanhado de uma mulher, que ainda não foi identificada. Por meio de imagens obtidas pelos investigadores, é possível ver o casal em um restaurante da região consumindo bebidas alcoólicas.

O procurador de Justiça José Roseno Neto pediu neste domingo a reconsideração da decisão liminar do desembargador para que “seja mantida a prisão temporária para fins de elucidação das investigações”. A defesa de Silva afirma que, desde o ocorrido, ele se mostrou à disposição da Justiça e prestará depoimento nesta terça-feira.

Em nota, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) da Paraíba afirmou que “o desejo de todos é que a justiça seja feita e que a tragédia que acometeu a família de Diogo sirva como marco para estimular uma mudança de consciência sobre o consumo de álcool ao volante e o respeito aos profissionais que diuturnamente trabalham para tornar nossas ruas mais seguras”. “Que as duras penas da lei sirvam de norte para punir de maneira exemplar os culpados”. complementa.
Tecnologia do Blogger.